Paciente amazonense é mais um dos transplantados de fígado no Acre

[:pb]

Durante mais de sete anos, o paciente Antônio Araújo da Silva permaneceu na fila de transplantes de fígado de São Paulo. Natural de Pauini (AM), ele decidiu mudar seu tratamento de cirrose hepática para o Acre e, há seis meses, entrou na lista acreana para aguardar um transplante de orgãos. Na quinta-feira, 7, a longa espera chegou ao fim, e Antônio da Silva teve um fígado transplantado.

Familiares do paciente aguardaram ansiosos o fim da cirurgia, na saída do centro cirúrgico do Hospital das Clínicas (HC) de Rio Branco. Eles contaram que Antônio da Silva estava em Rio Branco para o retorno de seu tratamento, como faz a cada dois meses, quando recebeu a ligação informando sobre a chegada de um fígado para transplante.

Além de Antônio da Silva, outros dois pacientes fizeram testes de compatibilidade para o transplante. Contudo, apenas o amazonense teve resultado positivo.

A coordenadora da Central de Captação do HC, Regiane Ferrari, relatou que o órgão foi captado em Belém (PA) e transportado para o Acre em voo fretado. “É essencial que as pessoas entendam a importância da doação de órgãos para salvar outras vidas. É um ato de amor ao próximo”, observou.

Fonte: Notícias Acre[:en]DSC_1992-580x384

Durante mais de sete anos, o paciente Antônio Araújo da Silva permaneceu na fila de transplantes de fígado de São Paulo. Natural de Pauini (AM), ele decidiu mudar seu tratamento de cirrose hepática para o Acre e, há seis meses, entrou na lista acreana para aguardar um transplante. Na quinta-feira, 7, a longa espera chegou ao fim, e Antônio da Silva teve um fígado transplantado.

Familiares do paciente aguardaram ansiosos o fim da cirurgia, na saída do centro cirúrgico do Hospital das Clínicas (HC) de Rio Branco. Eles contaram que Antônio da Silva estava em Rio Branco para o retorno de seu tratamento, como faz a cada dois meses, quando recebeu a ligação informando sobre a chegada de um fígado para transplante.

Além de Antônio da Silva, outros dois pacientes fizeram testes de compatibilidade para o transplante. Contudo, apenas o amazonense teve resultado positivo.

A coordenadora da Central de Captação do HC, Regiane Ferrari, relatou que o órgão foi captado em Belém (PA) e transportado para o Acre em voo fretado. “É essencial que as pessoas entendam a importância da doação de órgãos para salvar outras vidas. É um ato de amor ao próximo”, observou.

Fonte: Notícias Acre[:es]DSC_1992-580x384

Durante mais de sete anos, o paciente Antônio Araújo da Silva permaneceu na fila de transplantes de fígado de São Paulo. Natural de Pauini (AM), ele decidiu mudar seu tratamento de cirrose hepática para o Acre e, há seis meses, entrou na lista acreana para aguardar um transplante. Na quinta-feira, 7, a longa espera chegou ao fim, e Antônio da Silva teve um fígado transplantado.

Familiares do paciente aguardaram ansiosos o fim da cirurgia, na saída do centro cirúrgico do Hospital das Clínicas (HC) de Rio Branco. Eles contaram que Antônio da Silva estava em Rio Branco para o retorno de seu tratamento, como faz a cada dois meses, quando recebeu a ligação informando sobre a chegada de um fígado para transplante.

Além de Antônio da Silva, outros dois pacientes fizeram testes de compatibilidade para o transplante. Contudo, apenas o amazonense teve resultado positivo.

A coordenadora da Central de Captação do HC, Regiane Ferrari, relatou que o órgão foi captado em Belém (PA) e transportado para o Acre em voo fretado. “É essencial que as pessoas entendam a importância da doação de órgãos para salvar outras vidas. É um ato de amor ao próximo”, observou.

Fonte: Notícias Acre[:]

Post anterior
Sesau realiza primeira remoção do ano para tratamento fora de domicílio
Próximo post
Goiana é transferida em UTI Aérea para Boston
Menu